coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Chanceleres do Mercosul preparam pauta da cúpula de julho

Os chanceleres dos países do Mercosul vão se reunir hoje no Palácio San Martín, em Buenos Aires, para elaborar a agenda de discussões da Cúpula de Presidentes do bloco que será realizada nos próximos dias 20 e 21 de julho, em Córdoba. O chanceler uruguaio, Reinaldo Gargano, chegará à reunião com a missão de tentar colocar na mesa de discussões o conflito com a Argentina sobre as plantas de celulose que estão sendo construídas na fronteira dos dois países.A participação de Gargano é vista como um gesto de aproximação do presidente Tabaré Vázquez ao presidente Néstor Kirchner, já que ambos vão se encontrar em Córdoba. O governo uruguaio quer que a Argentina se comprometa em não permitir os bloqueios da ponte que liga os dois países, sobre o rio Uruguai, ameaçados pelos moradores de Gualeyguachú. Os ambientalistas e moradores da cidade argentina, em frente à uruguaia Fray Bentos, prometem voltar a interromper o trânsito na fronteira se o Tribunal de Haia não acatar a medida cautelar pedida pela Argentina para suspender as obras, enquanto é realizado um estudo de impacto ambiental das fábricas sobre a região.Embora a Argentina não concorde com a discussão do conflito no âmbito do Mercosul, Gargano vai aproveitar a ocasião para discutir o assunto com o colega argentino, Jorge Taiana, que convocou o encontro, de caráter extraordinário, como presidente pro tempore do Mercosul. Além de preparar a reunião dos presidentes, os chanceleres vão discutir o processo de adesão da Venezuela; uma posição de consenso para a reunião da Rodada de Doha da OMC, a realizar-se no final do mês em Genebra; e a atual situação do Mercosul."Dessa maneira, os ministros avançarão nos protocolos de adesão para a incorporação de Venezuela como sócio pleno do bloco, na definição de uma postura comum para a próxima reunião Rodada de Doha no final de junho, no acordo comercial com Cuba, as bases para a redação do Código Aduaneiro, e o fechamento dos acordos comerciais com Paquistão e Israel", informou a chancelaria argentina."O bloco tentará avançar em questões vinculadas à produção, integração e complementação produtiva, o desenvolvimento das cadeias de valor, os foros de competitividade, a possibilidade de integração dos processos produtivos que gerem mão de obra e trabalho decente na região", conclui o comunicado.Os chanceleres terão um almoço de trabalho, seguido pela discussão da agenda prevista em reuniões posteriores. Participam do encontro convocado pelo chanceler Jorge Taiana, os chanceleres Celso Amorim, do Brasil; Reinaldo Gargano, do Uruguai; Leila Rachid, do Paraguai; e Alí Rodriguez, da Venezuela.

Agencia Estado,

16 de junho de 2006 | 12h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.