Chávez ameaça confiscar lojas que aumentem preços

Presidente Venezuelano ordena militares a fiscalizarem reajustes do comércio e diz que pode haver confisco

Patricia Rondon Espin e Gabriel Burin, da Reuters,

10 de janeiro de 2010 | 17h15

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, deu ordem a militares para verificar se os preços estão sendo reajustados após a desvalorização da moeda decretada na última sexta-feira. Ele alertou que pode confiscar qualquer loja que especule com preços a partir da decisão.

Chávez anunciou que o país terá um tipo de câmbio de 2,60 bolívares por dólar para bens prioritários, como alimentos e remédios, e um “petroleiro” de 4,3 bolívares por dólar para o comércio em geral, automóveis e têxteis, entre outros.

Veja também:

link Venezuela anuncia fundo de US$ 1 bi para substituição de importações

link Chávez diz que quem critica desvalorização ‘não tem coração venezuelano’

link Venezuela desvaloriza moeda e cria 2 tipos de câmbio

“Não há nenhuma razão para ninguém aumentar os preços de nada. Quando for necessário, o governo será o primeiro a reconhecer”, disse o mandatário em seu programa semanal de rádio e televisão “Alô, presidente”.

 

“Quero que a Guarda Nacional vá às ruas com o povo lutar contra a especulação”, afirmou, provocando aplausos de seus seguidores.

O presidente disse que é capaz de retirar as lojas dos donos e dar aos trabalhadores se eles reajustarem os preços. Chávez acusou os meios de comunicação de provocar terror entre a população ao dizer que serão aumentados os preços de todos os tipos de produtos.

Neste domingo, canais de televisão e jornais mostraram imagens de grandes filas de consumidores comprando eletrodomésticos e publicaram análises mostrando como a desvalorização afetará diversos setores da economia.

Mas o governo assegura que o impacto sobre os preços não seria forte, no país que teve a inflação mais alta do continente em 2009, de 25,1%.

 

 

 

 

 

Fiscalização militar

Chávez instruiu o vice-presidente e ministro da Defesa, Ramón Carrizales, a verificar se os preços não disparam e pediu a ele que entregue, na segunda-feira (11), as primeiras linhas de um plano contra a especulação, em comum acordo com os militares, a receita e organizações comunitárias.

“Que ninguém se deixe roubar aqui; denunciem o especulador publicamente e nós vamos intervir em qualquer negócio de qualquer tamanho que faça o jogo da burguesia especuladora”, afirmou.

O ministro das Finanças, Ali Rodriguez, disse na última sexta-feira que o impacto da desvalorização sobre a inflação ficaria entre 3% e 5%, sem detalhar a nova expectativa do governo para o indicador.

Horas depois, o ministro do Planejamento, Jorge Giordani, afirmou que bens “desnecessários vão ficar mais caros.

O governo assegura que a desvalorização ajudará setores exportadores, em um país que importa a maior parte do que consome.

Chávez enfrentará em setembro eleições legislativas, nas quais procurará manter sua maioria esmagadora. A poucos meses das eleições, para as quais o presidente já iniciou sua ofensiva eleitoral que chamou de “campanha admirável”, os venezuelanos estão duramente atingidos pela criminalidade, por racionamento de energia elétrica e de água, além da desvalorização que elevará os preços.

Mas o mandatário afirma que o câmbio preferencial e os subsídios para alimentos e saúde diminuirá o impacto do “reajuste” sobre os pobres.

Chávez conseguiu o apoio dos eleitores em uma dezena de disputas ao longo dos 11 anos de sua “revolução socialista”, na qual só teve uma derrota, em um referendo com o qual pretendia  reformar a Constituição.

Tudo o que sabemos sobre:
ChávezVenezuelacâmbiopreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.