Chávez apresenta novo plano para reaquecer economia

Pacote inclui criação de fundo para planos produtivos, aumento de subsídios agrícolas e eliminação de impostos

Efe,

12 de junho de 2008 | 06h13

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciou nesta quarta-feira, 11, um pacote de medidas para reaquecer a economia do país. O pacote inclui a criação de um fundo de US$ 1 bilhão para planos produtivos, o aumento de subsídios agrícolas e a eliminação de impostos. Chávez também anunciou a reativação do chamado "plano excepcional de compras do Estado", assim como a manutenção, embora "flexibilizada", dos controles de câmbio e de preços vigentes desde 2003. As medidas foram anunciadas em meio à escalada da inflação, que levou até 12,4% a taxa acumulada entre janeiro e maio, e uma baixa no ritmo de crescimento econômico do país, evidenciada nos 4,8% registrados no primeiro trimestre deste ano, contra 8,8% do mesmo período de 2007. "Desejamos com isto manter o rumo do crescimento econômico (do país) para que chegue aos 20 trimestres consecutivos", disse Chávez, perante 500 representantes empresariais e industriais, aos quais prometeu mais detalhes do pacote de medidas nos próximos dias. O Governo deseja que, entre este ano e 2009, se invista a totalidade do novo fundo, que estabelece "condições muito brandas e muito flexíveis" de financiamento, e por isso pediu aos empresários para que apresentem projetos ao Executivo. "Podemos fazer empresas mistas, eu os convido. Iniciativa privada e Estado, estamos juntos", disse o líder, que ao longo de seu discurso pediu aos empresários que "não se deixem atemorizar pelas campanhas permanentes" que criticam sua "revolução bolivariana". Em matéria tributária, Chávez anunciou a eliminação do Imposto sobre Transações Financeiras (ITF), vigente desde novembro passado, com uma taxa de 1,5% que era aplicada sobre movimentos bancários das empresas privadas. "É um imposto que freia o processo produtivo, que tem uma carga inflacionária (...) não nos é necessário, graças às receitas do petróleo", declarou o chefe de Estado. Em matéria cambial, anunciou que até o próximo dia 31 de dezembro, as empresas que já estejam registradas perante a Comissão Administradora de Divisas (Cadivi) e solicitem "um máximo de US$ 50 mil" ficarão livres de apresentar os "requisitos prévios" estabelecidos. Essa medida, qualificada por Chávez como um "experimento", agilizará o tempo de entrega dos dólares a importadores, que se queixam de atrasos de até seis meses na outorga das divisas. Em matéria agrícola, anunciou o aumento dos subsídios à produção de cereais e do café, assim como o perdão de uma dívida de 246,7 milhões de bolívares fortes (US$ 114,74 milhões) de 25 mil pequenos e médios produtores de milho, arroz e café.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela: Hugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.