Chávez diz que irá nacionalizar subsidiária do Santander

Líder venezuelano anuncia que governo vai comprar o Banco da Venezuela e colocá-lo a serviço do país

Efe,

31 de julho de 2008 | 17h26

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou nesta quinta-feira, 31, que pretende nacionalizar o Banco da Venezuela, que pertence ao grupo espanhol Santander. Em discurso em cadeia nacional, Chávez disse que soube que os "donos espanhóis" do banco queriam vendê-lo e que o governo venezuelano quer "recuperá-lo" para colocar a instituição "a serviço" dos venezuelanos. "Vamos nacionalizar o banco da Venezuela", afirmou.   "Eles queriam vender o banco a um banqueiro venezuelano, o qual pediu permissão e autorização, porque assim está nas leis, e eu como chefe de Estado, digo não", ressaltou Chávez. "Agora vendam ao governo, ao Estado (venezuelano)... então agora os donos dizem não, não queremos vender. E eu digo, não, eu compro, quanto vale?", perguntou.   "Vamos recuperar o Banco da Venezuela para colocá-lo a serviço dos venezuelanos, de toda a economia venezuelana. Faz muita falta ao país um banco dessa magnitude", disse, após pedir aos proprietários para "negociar". "Estavam desesperados em vender o banco, inclusive tentando me pressionar, eu não aceito pressões", destacou o presidente venezuelano.   Chávez ressaltou que "a partir deste mesmo momento vai começar a guerra midiática" contra si. "Não faltarão manchetes da imprensa na Espanha que (dirão que) Chávez atenta contra a Espanha para tentar prejudicar as relações, que endireitamos outra vez com minha visita (na última sexta-feira), aceitando o convite do rei Don Juan Carlos e do presidente do governo espanhol (José Luis Rodríguez Zapatero)", disse.  

Mais conteúdo sobre:
ChávezVenezuelaSantander

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.