Chefe da missão do FMI diz que reação do mercado "não é crise?

O chefe da missão técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI), Phil Gerson, voltou a minimizar a onda de nervosismo que afetou o mercado financeiro esta semana. Ele negou que o estresse vivido nos últimos dias possa ser caracterizado como uma crise. "Não é uma crise, é volatilidade e volatilidade é algo normal", disse o técnico, logo após reunião com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, onde foi concluída a segunda revisão do acordo entre o Brasil e o Fundo."Temos que aceitar que de vez em quando há turbulências no mercado, mas vamos voltar ao ambiente estável. Temos que ter paciência", afirmou. Na avaliação do técnico, a equipe econômica brasileira deve ignorar os movimentos de curto prazo do mercado e manter o rumo das políticas macroeconômicas adotadas até agora."(Essa volatilidade) é temporária e vai passar. A melhor resposta das políticas é ignorá-la. Achamos que as coisas vão bem no Brasil e o melhor conselho é seguir fazendo as coisas que o governo está fazendo para reduzir as vulnerabilidades", disse.Para Gerson, o estresse de curto prazo será dissipado e o governo, ao manter suas políticas, seguirá prosseguindo no caminho do crescimento sustentado. "O Brasil está progredindo e vai seguir progredindo. Vai crescer mais e seguir reduzindo as vulnerabilidades", avaliou.Gerson disse ainda que a economia brasileira está dando sinais claros de que irá crescer em 2004. "Há sinais claros que o crescimento está aumentado e acho que o País vai crescer este ano e vai seguir crescendo, especialmente com o progresso da agenda de reformas estruturais do governo", salientou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.