Chefe da missão do FMI no Brasil faz elogios ao País

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI), Phil Gerson, afirmou hoje que o governo brasileiro tem conseguido melhorar a estrutura da dívida pública do País. "O Brasil tem um superávit primário de 4,25% do PIB e tem melhorado muito a estrutura da dívida com a redução da parcela atrelada ao câmbio. Acho que o Brasil está progredindo e o País tem agora uma agenda de reformas estruturais muito importante para promover o crescimento econômico neste ano e nos próximos", afirmou.Na avaliação do técnico, que esteve reunido hoje com o ministro Antonio Palocci, a situação econômica brasileira é muito boa. Ao ser questionado se o FMI fez alguma recomendação especial em relação às reservas internacionais do País, Gerson respondeu apenas que o Banco Central já tem um plano, o qual é considerado ?muito bom? pelo Fundo.Em relação à proposta de mudança na contabilização dos investimentos públicos no cálculo do superávit primário, Gerson disse apenas que o projeto piloto ainda está em sua fase inicial e que, portanto, não há como prever suas conclusões. Ele assegurou, entretanto, que a idéia central do plano é pensar de novo como o Fundo e os países membros pensam nas contas públicas. Ele frisou que isso não levará a nenhuma mudança na meta fiscal seguida pelo governo brasileiro.Posição forteEle afirmou ainda que o Brasil está numa posição forte para responder a choques externos. "O Brasil agora é um país muito mais forte e mais resistente a qualquer choque externo que possa ocorrer", afirmou. Para mostrar essa melhora da economia brasileira, Gerson fez questão de apontar alguns indicadores econômicos que, segundo ele, respaldam essa avaliação."Há três anos o Brasil tinha um déficit em conta corrente de 4% do PIB e agora tem superávit. A estrutura da dívida pública era muito pior do que agora", afirmou Gerson, acrescentando que há três anos o Brasil fazia um superávit primário de 3% do PIB e agora faz um superávit de 4,25% do PIB. O chefe da missão do FMI fez questão de ressaltar a necessidade de ter serenidade neste momento de volatilidade (oscilação). "Devemos manter a calma e devemos ter serenidade para ver as coisas como elas são realmente", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.