Reprodução/CBS
Reprodução/CBS

Chefe pode demitir funcionária que ameace o casamento

Patrão americano alegou que auxiliar era 'irresistível' e que ele temia perder o controle e vir a ter um caso

Economia & Negócios,

12 de julho de 2013 | 12h37

 SÃO PAULO - A justiça americana confirmou nesta sexta-feira, 12, o direito de um dentista dos Estados Unidos demitir a sua assistente, sob a alegação de que ela seria "atraente demais" e colocava em risco o seu casamento.

O dentista alegou à justiça do estado de Iowa que temia perder o controle e acabar tendo um caso com a moça.

O caso provocou polêmica e a auxiliar acabou ganhando destaque na mídia. Os juízes sofreram críticas dos que consideraram justa a alegação de preconceito sexual, mas a Suprema Corte do Estado de Iowa confirmou a decisão. Já o casamento do dentista vem sendo administrado com auxílio de um pastor da igreja frequentada pelo casal.

Decisão. O tribunal  decidiu que um chefe pode demitir um subordindado caso ele seja considerado uma ameaça ao casamento, mesmo que o subalterno não tenha dado motivos para esse temor.

A jovem demitida já havia sofrido uma derrota anterior, e acabou perdendo novamente na instância máxima, segundo informou a rede CBS.  

O tribunal entendeu que tais demissões não podem ser consideradas discriminação sexual ilegal, como alegou a assistente demitida, porque eles são motivados por sentimentos, e não por gênero.

A decisão reitera o resultado do julgamento anterior, em dezembro do ano passado, quando juízes indeferiram uma ação movida por Melissa Nelson contra o dentista James Knight.

Depois de uma enxurrada de críticas sobre a decisão, o advogado da assistente pediu reconsideração, mas mesmo assim saiu derrotada e não será indenizada.

Tudo o que sabemos sobre:
casamentodemissãoempregoameaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.