Chefes de Estado chegam ao Rio para Cúpula do Mercosul

Os chefes de Estado que participarão da reunião de Cúpula do Mercosul, que será realizada nesta quinta e sexta-feira no Rio, vão desembarcar a partir desta quarta à noite na cidade. Estão confirmadas pelo Itamaraty as presenças dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia), Nestor Kirchner (Argentina), Nicanor Duarte Frutos (Paraguai), Tabaré Vasquez (Uruguai), Michelle Bachelet (Chile) e Rafael Correa, empossado nesta semana, na presidência do Equador.Está sendo esperado também o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe. O evento será realizado no hotel Copacabana Palace, na zona sul do Rio. A programação oficial do encontro terá início nesta quinta, às 10 horas, com reunião dos ministros das relações exteriores e da economia dos países membros do Mercosul - Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela. O discurso de abertura dessa reunião será feito pelo ministro brasileiro das relações exteriores, Celso Amorim.Às 15 horas, será a vez de encontro, ou "reunião de reflexão" dos chefes de Estado sul-americanos, também no Copacabana Palace. A noite, no Palácio Itamaraty, o presidente Lula oferecerá um jantar para os participantes da Cúpula.Na sexta-feira, logo pela manhã, às 10 horas, acontece no Copacabana Palace a reunião de Cúpula do Mercosul, com a presença dos chefes de Estado. Em seguida, os presidentes dos países concedem coletiva à imprensa.O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que promete ser a "estrela" do evento, será homenageado na sexta, às 16 horas, com a medalha Tiradentes na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.Novos membrosUm dos pontos fortes da reunião de Cúpula do Mercosul será a discussão do processo de aproximação da Bolívia e Equador do bloco econômico. Os bolivianos já solicitaram a inclusão como membros plenos do bloco e a associação plena do país será um dos principais assuntos em pauta na reunião. A expectativa é que o Brasil defenda a aceitação da Bolívia no bloco em condições especiais. Os bolivianos solicitam regras diferenciadas para sua adequação à Tarifa Externa Comum (TEC), um dos cernes comerciais do Mercosul. Atender a essa solicitação é questão polêmica entre os países que integram o bloco.No caso do Equador, a expectativa é que o país demonstre interesse em integrar o Mercosul não como membro pleno, mas aprofundando as relações comerciais com os países do bloco via Comunidade Andina das Nações (CAN) da qual o país faz parte.Nesta quarta, no Palácio Itamaraty, diplomatas de países sul-americanos discutem os pontos mais importantes da Cúpula, que incluem a operação de um fundo comum para infra-estrutura no bloco e a entrada da Bolívia. SegurançaPara receber os chefes de Estado, a segurança no Rio foi reforçada a partir desta quarta-feira. Já chegaram à cidade os policiais federais que vão cuidar da segurança pessoal dos presidentes e de ministros. A segurança das ruas e de toda a área em torno do Copacabana Palace foi montada pelo comandante militar do Leste, general Luiz Cesário da Silveira Filho. Nos locais por onde passará o presidente Lula, a segurança ficará a cargo do Gabinete de Segurança Institucional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.