Imagem Fernando Dantas
Colunista
Fernando Dantas
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Chegou a conta

Com contas públicas arrumadas, seria mais fácil enfrentar qualquer tormenta

Fernando Dantas, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2018 | 04h00

A conta do desequilíbrio fiscal chegou. Num momento em que a economia brasileira ainda se arrasta e a inflação é a mais baixa desde o Plano Real, o Banco Central deixou de cortar a Selic, a taxa básica, na quarta-feira por causa do câmbio.

É preciso qualificar essa afirmação. A forte desvalorização que o real vem sofrendo ante o dólar atinge a maior parte das moedas, especialmente dos países emergentes. E o corte que o BC deixou de fazer, de 0,25 ponto porcentual, é pequeno demais, por si só, para fazer diferença na economia. Mas é preciso olhar o contexto maior.

Nos últimos anos, o mundo viveu uma fase de excepcional liquidez, como consequência da ação superagressiva dos principais bancos centrais para estimular as economias desenvolvidas. O excesso de dinheiro circulando pelo mundo criou um clima de complacência em relação aos desequilíbrios de muitos países.

Agora, porém, a festa está acabando, e em velocidade superior à esperada no caso dos Estados Unidos. Enquanto o Fed, o banco central americano, elevou os Fed Funds, a taxa básica de lá, do intervalo de zero a 0,25% ao ano no fim de 2015 para 1,5% a 1,75% em março deste ano, a taxa de juros de dez anos do Tesouro americano (a mais importante do mundo) saiu de 1,36% em julho de 2016 para 3,11% ontem.

No momento em que o excesso de dinheiro começa a ser drenado dos mercados globais, as fragilidades que antes eram ignoradas se tornam incômodas para os investidores.

Assim, embora haja um movimento autônomo de valorização do dólar ante outras moedas, que pode ser visto mesmo ante divisas de países e áreas mais sólidos em seus fundamentos, como Canadá, Austrália, Chile e zona do euro, no caso de emergentes mais problemáticos a mesma história se torna potencialmente mais turbulenta.

Os problemas variam. Ora é a situação política, ou geopolítica, ou o déficit externo, ou o déficit público, ou a inflação, ou uma combinação de dois ou mais desses fatores. O fato é que a vida ficou menos fácil – com graus diferentes de dificuldade – para países como Rússia, Turquia, México, África do Sul, Colômbia, Brasil e Argentina. O caso argentino, como é bem sabido, parece o mais grave até agora, tendo levado o país a recorrer ao FMI.

O Brasil está longe de estar na pior situação. Não há problemas geopolíticos, nem inflação alta, nem déficit externo relevante. Mas temos uma péssima situação fiscal e uma incerteza política total. Do ponto de vista da economia, dos investidores e do mercado financeiro, esses dois problemas estão ligados. A incerteza política que interessa no caso é sobre se o próximo presidente terá uma política econômica que atacará os grandes problemas econômicos brasileiros, entre os quais a insustentável situação das contas públicas é o destaque absoluto.

Se não atacar, a economia não se sustenta e a casa cai. Investidores na economia real e em títulos do mercado financeiro nacional vão perder dinheiro, mas os que sofrerão mais serão o cidadão médio e, especialmente, os mais pobres.

Uma grande quantidade de economistas, a equipe econômica e o Banco Central alertaram ad nauseam nos últimos anos que não fazer a reforma da Previdência e não fechar mais rapidamente o rombo fiscal deixaria o Brasil mais exposto quando o cenário internacional se tornasse menos benigno. Os políticos ignoraram os alertas e agora já começou a chover, restando rezar para que não venha uma tempestade.

Se as contas públicas tivessem sido arrumadas, seria possível ao Brasil enfrentar qualquer tormenta de forma bem mais tranquila. Quem sabe até o BC poderia continuar a se preocupar em estimular mais a economia cambaleante em vez de reagir à desvalorização do câmbio. Mas agora não adianta chorar pelo leite derramado. É mais útil apertar o cinto de segurança e torcer para não ficar pior.

COLUNISTA DO BROADCAST E CONSULTOR DO IBRE/FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.