Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Imagem Direto da Fonte
Colunista
Direto da Fonte
Sonia Racy
Conteúdo Exclusivo para Assinante

''''Chegou minha hora'''', diz Belda, que deve voltar para São Paulo

"Chegou minha hora", disse Alain Belda ontem, de Nova York, contando que a inclusão de Klaus Kleinfeld, 49 anos, no Conselho de Administração da empresa em 2003 foi feita com o intuito da sucessão. " Ele é jovem e tem todas qualidades para tocar a empresa,"frisa.Belda avisa que não há prazo definido para fazer a transição de cargos. "Quero fazê-la de modo tranqüilo , mas não pode demorar muito: uma transição muito demorada não é produtiva". Portanto, Belda espera passar seu próximo aniversário, em junho do ano que vem, no Brasil. O que vai fazer depois? " Não sei, quero primeiro me aposentar. Estou há 40 anos ininterruptos na Alcoa." Quem conhece Belda, no entanto, sabe que seu fôlego é grande e que, com certeza, não ficará parado. Sabe também que tampouco voltará para a vida de "globe-trotter", vida esta que fez com que sua casa fosse, durante anos, o avião da Alcoa. Apesar de não ser brasileiro de nascença - é marroquino -, Belda se naturalizou brasileiro, é casado com a paulista Haydee, tem filhas brasileiras e não tem duvidas de que quer morar em São Paulo. Afinal, há um mais de um ano vem monitorando a construção de uma nova casa.

Sonia Racy, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2016 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.