seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Chegou o "momento da verdade", diz diretor-geral da OMC

Os Estados Unidos, a União Européia e os países em desenvolvimento líderes vão precisar fazer concessões difíceis nesta semana para abrir seus mercados, ou arriscar-se a um possível colapso nas negociações comerciais de cinco anos da Organização Mundial do Comércio (OMC), disse hoje Pascal Lamy, diretor-geral da OMC.Ele usou essa expressão forte para descrever o encontro que se inicia amanhã em Genebra dos ministros de 60 países e para dizer que um novo adiamento das decisões poderia arruinar de vez as conversações.Lamy chamou de "momento da verdade" o novo encontro de amanhã da prolongada e difícil Rodada Doha de negociações para a liberalização do comércio, o que, segundo a OMC, poderia trazer bilhões de dólares para a economia global e tirar milhões de pessoas da pobreza.AmorimO ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, participará das reuniões da OMC. Amanhã (29), estão previstas reuniões do G-20 grupo de 20 países em desenvolvimento), do Nama-11 (países coordenado pela África do Sul no âmbito de acesso a mercados para bens não-agrícolas) e do G-6 (grupo informal que, além do Brasil, congrega Austrália, Comunidade Européia, Estados Unidos, Índia e Japão). Na sexta-feira (30), Amorim participa de reunião ministerial convocada pelo diretor-geral Pascal Lamy, e sábado (1º), da reunião do Comitê de Negociações Comerciais da organização. Estão também previstos encontros com a representante comercial dos Estados Unidos, Susan Schwab; com o ministro do Comércio e Indústria da Índia, Kamal Nath; com o ministro do Comércio do Paquistão, Humayun Khan; e com o comissário de Comércio da Comunidade Européia, Peter Mandelson.

Agencia Estado,

28 de junho de 2006 | 09h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.