Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Cheque especial cobra juro muito alto

As elevadas taxas de juros do cheque especial afugentam os clientes desse tipo de socorro de fim de mês. Por seu lado, os bancos passaram a estimular a migração desses clientes que não saem do vermelho para as operações pré-aprovadas de crédito. Segundo o Banco Central, o saldo das carteiras de bancos no crédito pessoal atingiu R$ 15,361 bilhões em novembro de 2000 - último dado disponível -, em comparação com R$ 8,015 bilhões no mesmo período de 1999, com alta de 91,6%. No mesmo período, as operações com cheque especial subiram de R$ 5,8 bilhões para R$ 7,317 bilhões, ou 26%.Os bancos argumentam que a taxa de juro do cheque especial, que segundo o BC era de 8,03% ao mês em média - ou 152,66% ao ano -, é resultado da grande inadimplência e do fato de o cliente que opta em "entrar no especial" estar, ou pouco se importando em pagar caro pela comodidade, ou sem condições de quitar dívidas. Já no caso do crédito direto ao consumidor, as taxas são mais convidativas. Ainda segundo o BC, a taxa média era de 4,62% ao mês - ou 71,9% ao ano. Nos dois casos, no entanto, o problema é que a expectativa de queda dos juros não beneficia o consumidor. Vwja no link abaixo tabela com os juros cobrados em cada banco para a linha de crédito cheque especial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.