Cheques pré-datados crescem 0,68% em 2006, diz pesquisa

O índice de cheques pré-datados no Brasil cresceu pouco em 2006. É o que revelou nesta segunda-feira, 29, o estudo da Telecheque, empresa de concessão de crédito no varejo. De acordo com a pesquisa, a alta foi de 0,68%, em comparação a 2005. No ano passado, segundo o estudo, as transações parceladas com cheques representaram 71,24% do total, número superior a 2005, quando a participação dessa forma de pagamento foi de 70,76%.Para o vice-presidente da Telecheque, José Antonio Praxedes Neto, o pequeno crescimento do índice é explicado pelo comportamento dos consumidores no segundo semestre do ano passado. "Com o orçamento fortemente comprometido e o alto endividamento ocasionado pela grande oferta de crédito dos últimos anos, os consumidores estão mais prudentes no momento de contrair novas dívidas, trabalhando com prazos reduzidos e procurando ter mais controle de seus gastos", afirmou. Dentre os 19 Estados pesquisados pela Telecheque, em oito deles foi constatado aumento dos parcelamentos com cheques. A elevação mais expressiva foi verificada no Maranhão, onde o índice de pré-datados subiu 12,47%. Entretanto, foi Pernambuco que apresentou maior indicador de pagamentos pré-datados. Neste Estado, o índice de parcelamentos com cheques foi de 81,69% - 2,6% superior em relação a 2005, quando ficou 79,62%.Em contrapartida, segundo a Telecheque, o uso de cheques para pagamentos à vista cresceu em 11 Estados brasileiros. Em Alagoas, o avanço chegou a 36,57%, número que colocou o Estado na liderança em emissão de cheques à vista. Goiás e São Paulo também tiveram volumes consideráveis de transações à vista. Do total de pagamentos com cheques nesses Estados, 47,11% e 35,32%, respectivamente, foram realizados para compensação imediata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.