Cheques sem fundos aumentam em todas as regiões do País

O volume de cheques devolvidos por falta de fundos, em relação ao total de compensados, cresceu em todas as regiões brasileiras na comparação anual (julho 2003/2002) e no acumulado dos sete primeiros meses de 2003, segundo pesquisa divulgada hoje pela Serasa. A região Norte foi a que apresentou a maior quantidade de cheques devolvidos. De janeiro a julho de 2003, a cada mil cheques compensados, 26,4 foram devolvidos sem fundos. Na comparação anual, a região registrou alta de 23% no volume de cheques sem fundo.A região Sul foi a que registrou o menor volume de cheques sem fundos. Segundo pesquisa da Serasa, de um total de mil cheques compensados, foram verificados 13,7 cheques sem fundos nos primeiros sete meses do ano - um aumento de 3,8% na comparação com o mesmo período de 2002. Em julho deste ano, foram devolvidos 14,7 cheques a cada mil compensados, ante 12,3 em igual mês de 2002, o que representou uma alta de 22,4%.A região Sudeste, de acordo com os dados, registrou nos sete primeiros meses de 2003 a segunda menor quantidade de cheques devolvidos a cada mil compensados. De janeiro a julho, foram verificados 13,8 cheques devolvidos - uma alta de 5,3% em relação ao mesmo período de 2002. No mês passado, a Serasa contabilizou 15,3 cheques devolvidos por falta de fundo, ante 12,5 verificados em julho de 2002.Em seguida, conforme a pesquisa, aparece a região Centro-Oeste, com 16,3 cheques sem fundos, de janeiro a julho deste ano, contra 14,9 do mesmo período de 2002. O número de cheques devolvidos na região, em julho, chegou a 17,9, um aumento de 20,1% em relação ao mesmo mês do ano passado. De acordo com a entidade, o Nordeste teve 21,7 cheques sem fundos por mil compensados nos primeiros sete meses do ano, ante 19,5 devolvidos em igual período de 2002. Em julho, esse resultado foi de 24,3, enquanto que no mesmo mês do ano anterior foi de 20,3.

Agencia Estado,

27 de agosto de 2003 | 16h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.