Chery começa a produzir no Brasil

Em meio à crise da indústria automobilística, marca chinesa inaugura fábrica em Jacareí em agosto, com a produção do modelo Celer

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2014 | 02h05

JACAREÍ - Na linha de montagem decorada com balões vermelhos e a presença de 120 funcionários, uma cerimônia marcou na última terça-feira a produção do primeiro modelo Celer na fábrica da Chery em Jacareí (SP). Ainda feito de forma artesanal, só para testar componentes, o carro de cor branca estava enfeitado com laço também vermelho, uma tradição na China.

"Trata-se de cerimônia para dar sorte, encorajar e motivar as pessoas a fazerem um bom trabalho", explica o chinês Roger Peng, de 47 anos, que em janeiro assumiu a presidência da Chery do Brasil. A primeira fábrica de carros chineses no País será inaugurada em agosto com produção pré-série (para testes da linha de montagem) do modelo em versões hatch e sedã.

Em novembro começa a produção em série para venda. Após atraso de um ano, a fábrica inicia operações num momento em que a indústria automobilística passa por uma crise, com produção e vendas em queda e dispensa de trabalhadores.

"Claro que estou preocupado com esse cenário e a matriz me pressiona, mas nosso investimento é para o longo prazo e temos confiança de que o mercado voltará a crescer", diz Peng. Segundo ele, a flutuação econômica também ocorre na China e em outros países.

Segundo Peng, "hoje o mercado pode não ser tão atrativo, mas no longo prazo será". Ter uma base de produção no País, afirma, "é importante para o plano de globalização da Chery".

Meta. Peng diz que a meta é atingir 3% de participação nas vendas de automóveis e comerciais leves entre 2017 e 2018 - quando a fábrica atingirá capacidade de produção anual de 150 mil veículos. "É uma meta alcançável, ainda que o mercado passe por pequenas turbulências." No primeiro ano, a capacidade será de 50 mil unidades.

O Celer brasileiro passou por reestilização e chega com mudanças nas partes frontal e traseira, principalmente no capô e na grade. O modelo nacional terá inicialmente 50% de componentes locais, entre eles motor (que também começou a ser produzido em Jacareí), bancos, suspensão, pneus, baterias, para-choque e parte do painel.

A maioria das peças está sendo adquirida de empresas instaladas a um raio de 100 quilômetros da fábrica que, no futuro, terá alguns fornecedores em seu parque industrial. As partes importadas virão da China.

A Chery não revela o preço do Celer nacional, mas diz que será "justo e acessível". O hatch importado custa R$ 32 mil.

No próximo ano entrará em linha o compacto que substituirá o atual QQ e, em 2016, provavelmente um utilitário-esportivo pequeno, o novo Tiggo, por enquanto chamado de projeto T17. Na fila estão ainda dois produtos em fase de desenvolvimento, tratados como S31 e S32.

Carro global. O investimento de US$ 400 milhões na fábrica de carros e de R$ 130 milhões na de motores foi todo bancado pela Chery. "O Brasil é o primeiro país a ter uma fábrica completa da Chery fora da China, com processos como pintura, usinagem e montagem", informa Peng.

"Nossos carros não são chineses, são globais e vamos fazer um excelente produto no Brasil", diz Peng. "Trouxemos a mais avançada tecnologia que temos na área de pintura, desenvolvida pela Chery e aplicada na nova fábrica do grupo inaugurada no ano passado na China; é um sistema que economiza água e energia."

Na China, a estatal Chery é a sétima maior montadora e a primeira entre as marcas independentes (sem parceria com multinacionais). Foi fundada em 1997 e este ano deve produzir mais de 550 mil veículos, dos quais 190 mil serão exportados. A América Latina, incluindo o Brasil, ficará com 30% desse volume. A intenção da marca é abastecer a região com os carros feitos no País, especialmente Argentina, Uruguai e Venezuela.

O custo Brasil pesou na decisão de ter fábrica, mas ele lembra que a produção local permite rapidez na entrega. Os carros da China levam de quatro a cinco meses para chegar ao País.

Foram os altos custos que levaram a Chery a trazer da China 60% do material usado na obra da fábrica, como as vigas de ferro que sustentam os edifícios.

A linha de montagem está 85% concluída, mas ainda há muitas obras em andamento, principalmente na parte externa. A unidade já conta com 200 funcionários em treinamento.

De janeiro a maio a marca vendeu 3,9 mil carros, mais que o dobro de 2013. Em 2013 foram 8.067 unidades, sob impacto da alta do IPI para importados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.