Rogério Santana/ Reuters
Rogério Santana/ Reuters

Chevron assume 'total responsabilidade' por vazamento no Rio

Governo estima o vazamento na Bacia de Campos entre 200 e 330 barris de petróleo por dia 

Agência Estado

20 de novembro de 2011 | 16h13

O presidente da unidade brasileira da petroleira Chevron Corp., George Buck, disse neste domingo, 20, que a companhia assume "total responsabilidade" pelo vazamento de óleo que ocorreu na Bacia de Campos. "Qualquer óleo na superfície do oceano é inaceitável para a Chevron", disse o executivo.

Segundo Buck, a companhia tampou o poço de avaliação, que foi a fonte primária do vazamento. O óleo chegou à superfície através de um buraco, após a parede de rocha do poço ter se rompido.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) estimou o vazamento entre 200 e 330 barris de petróleo por dia. Outras estimativas governamentais colocam o volume total do óleo vazado entre 5 mil e 8 mil barris.

O presidente da companhia norte-americana no Brasil disse ainda que a Chevron não utilizou dispersantes químicos na superfície do Oceano Atlântico, mas apenas métodos de dispersão e coleta mecânica do óleo vazado. Ele negou que a empresa tenha usado jatos de areia para limpar o óleo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChevronvazamentopetróleoCampos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.