Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Chile é o país com maior sustentabilidade da América Latina

Um ranking elaborado pela Consultoria Management & Excellence, com sede em Madri, em colaboração com a revista mensal Latin Finance, apontou o Chile como o país mais sustentável e ético da América Latina. A classificação levou em conta 50 indicadores econômicos, sociais, ambientais, políticos, jurídicos, de governança corporativa e de corrupção, comparando os oito principais países latino-americanos. A Argentina ficou em segundo lugar, a frente do México e Brasil.O ranking do nível de sustentação da Management & Excellence (M&E), com sede em Madri, é elaborado anualmente. O Chile teve a melhor colocação na maior parte das categorias, sendo, por exemplo, o primeiro país a iniciar reformas na governança corporativa a partir de 2000. O seu nível de expectativa de vida de 77 anos é o mais elevado, com a menor percepção de pobreza e de crime de todos. O ponto fraco do Chile está na poluição do meio ambiente com as suas emissões elevadas de gás carbônico e de gases sulfurosos, parcialmente devido ao grande número de pessoas que vivem em Santiago (4,4 milhões de um total de 15,6 milhões).A Management & Excellence apesar do Brasil ter, "o nível mais elevado de governança corporativa no setor privado, o país sofre com os dados deficientes em termos sociais e de corrupção. O Brasil é o segundo pior em segurança, seu desemprego é um dos mais elevados e apresenta o segundo maior número de presos (169/1000 da população). O desempenho do Brasil em educação é o segundo pior de todos".Apesar do comportamento mais fraco da sua economia, a Argentina lidera na área de educação. De acordo com a UNESCO, órgão da ONU para educação e cultura, os argentinos completam em média 8,8 dos 9 anos de escolaridade obrigatória, um dos coeficientes mais elevados em todo o mundo.O México foi o melhor classificado na área econômica, e segundo um relato da Consultoria Management & Excellence, "devido aos benefícios do comércio com os Estados Unidos, que apresentou um crescimento superior a 175% desde o início do NAFTA (Tratado de Livre Comércio da América do Norte) em 1994. Politicamente, o México ganha pontos pela democracia, mas ainda é considerado muito corrupto".De acordo ainda com a consultoria espanhola, "a Venezuela é o segundo pior em governança, só atendendo 3 dos 7 critérios da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Entretanto, seu superávit de conta corrente atual é o mais elevado devido às exportações de petróleo. Embora classificado em terceiro pelo PIB per capita, por incrível que pareça, é o terceiro pior em termos de percentual da população vivendo abaixo da linha de pobreza (47%)".A Colômbia apresenta a melhor classificação por suas iniciativas de combate à corrupção, embora esta continue elevada. Os investimentos em educação aumentaram significativamente atingindo 5,2% do PIB.O Equador e o Peru são os últimos colocados neste ranking de sustentabilidade: "O Equador praticamente não apresenta nenhuma reforma séria de governança corporativa (nenhuma bolsa de valores), o menor PIB, uma inflação razoavelmente elevada e pouca liberdade econômica. As prisões do Peru (com 137,8% da capacidade) estão superlotadas. Os índices de AIDS e de mortalidade infantil (38,2%) deste país são os mais elevados de todos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.