finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

China acha 'vermes e falta de qualidade' em produtos dos EUA

Episódio representa mais um capítulo da troca de acusações entre chineses e norte-americanos

REUTERS

31 de agosto de 2007 | 12h37

A China descobriu a presença de vermes em embalagens de madeira vindas dos Estados Unidos e denunciou como de baixa qualidade algumas vitaminas norte-americanas e um óleo de peixe para crianças, também norte-americano, afirmaram nesta sexta-feira, 31, meios de comunicação chineses.O episódio representa mais um capítulo da troca de acusações entre os dois países.A China tem manifestado preocupação com a falta de qualidade de vários produtos norte-americanos, respondendo aparentemente às queixas do governo dos EUA sobre um problema semelhante com várias mercadorias exportadas pelos chineses, de brinquedos a pastas de dente.Os vermes presentes na madeira de pinheiro, conhecidos como nematóides, foram encontrados em 13 conjuntos de embalagens enviados à área industrial de Shenzhen, afirmou o jornal China Daily.Mas, além de apresentar essas novas acusações, o país asiático também está adotando medidas para melhorar o padrão de qualidade de seus produtos em meio a uma crescente preocupação com o selo "made in China".Em outro episódio envolvendo produtos importados de baixa qualidade, pílulas de vitamina e sais minerais e um óleo de peixe para crianças, todos com problemas, foram descobertos na Província de Zhejiang (na costa leste da China), afirmou o China News Service.Recentemente, o país destruiu um carregamento de batata congelada de má qualidade também vindo dos EUA. E, no começo do mês, a agência de quarentena da China divulgou notícias sobre um carregamento de soja contaminada que chegou ao país em fevereiro.(Por Emma Graham-Harrison, Vivi Lin e Lindsay Beck)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAEUAPRODUTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.