REUTERS/Aly Song
REUTERS/Aly Song

China acusa EUA de iniciar 'maior guerra comercial da história' e promete contra-atacar

'O lado chinês prometeu não disparar o primeiro tiro, mas, para defender os interesses centrais do País e do povo, foi forçado a fazer contra-ataques necessários', apontou o Mofcom

Mateus Fagundes e Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 02h56

O Ministério de Comércio da China (Mofcom, na sigla em inglês) afirmou nesta sexta-feira, 6, que os Estados Unidos violaram as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e lançaram "a maior guerra comercial na história econômica até o momento" ao executarem a imposição de tarifas de 25% sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses. "O lado chinês prometeu não disparar o primeiro tiro, mas, para defender os interesses centrais do País e do povo, foi forçado a fazer contra-ataques necessários", apontou o Mofcom em comunicado divulgado há pouco.

Para o Ministério de Comércio chinês, as tarifas impostas pelos EUA são "um bullying típico do comércio, que compromete seriamente a cadeia industrial global e a segurança da cadeia de valor" e que dificulta a recuperação econômica global, além de provocar turbulências nos mercados financeiros e afetar empresas multinacionais e em geral. "Os consumidores não apenas ficarão desamparados, mas também os interessas das empresas e da população americana serão prejudicados."

+ Trump confirma imposição de tarifa sobre US$ 34 bi em produtos da China

+ UE adverte Trump que tarifas sobre automóveis podem levar a retaliação de US$ 300 bi

O Mofcom disse, ainda, que irá informar a OMC prontamente sobre as medidas adotadas por Washington e trabalhar com países ao redor do mundo com a finalidade de "salvaguardar conjuntamente o livre-comércio e o sistema multilateral de comércio". Ao mesmo tempo, a China reiterou que irá aprofundar a reforma, ampliar a abertura econômica, criar um bom ambiente de negócios para empresas chinesas no mundo, entre outros fatores.

Além disso, o ministério informou que continuará avaliando o impacto das tarifas americanas na economia e que trabalhará para tomar medidas eficazes para dar apoio aos negócios em solo chinês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.