China adia recebimento de minério australiano

Siderúrgicas na China pediram à mineradora australiana Mount Gibson Iron para adiar algumas remessas de minério de ferro, no mais forte sinal de que a maior produtora de aço do mundo está engasgada com excesso de estoques da matéria-prima do aço. O pedido de adiamento vai adicionar preocupações de que o apetite por matéria-prima aparentemente insaciável da China, que gerou recordes nos preços nos mercados de commodities de cobre e de frete, está sofrendo com a crise global dos mercados financeiros e com um recuo cíclico do setor de aço. A Mount Gibson, quarta maior produtora de minério de ferro do mundo, informou que uma série de seus clientes pediram adiamentos de entregas no segundo trimestre negociadas sob contratos a termo. Apesar disso, a companhia afirmou que não tem obrigação de concordar com os pedidos. "Estamos vendo a demanda cair, pelo menos temporariamente, o que poderia ser em parte atribuído à crise financeira que se espalha ao redor do mundo", afirmou o analista James Wilson da DJ Carmichael. A Mount Gibson, que produziu 6,9 milhões de toneladas de minério de ferro no ano até 30 de junho, informou que incertezas econômicas e restrição nas condições de crédito levaram a uma redução na produção de aço e aumento de estoques de minério de ferro nos portos chineses. O anúncio fez as ações da empresa despencarem até 32 por cento nesta quinta-feira, mas o movimento não se estendeu para outras mineradoras australianas, que fornecem a maior parte do minério comprado pela China. "Continuamos a fazer nossas entregas normais", disse Gervase Greene, um porta-voz da Rio Tinto, maior mineradora de minério de ferro da Austrália. A BHP Billiton, principal rival da Rio também informou embarques normais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.