China ainda depende de investimentos, diz membro do PBoC

A China poderá não conseguir acabar com a dependência no crescimento dos investimentos e das exportações nos próximos três a cinco anos, apesar dos planos pra uma reestruturação econômica, afirmou Song Guoqing, membro acadêmico do comitê de política monetária do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês).

AE, Agencia Estado

21 de novembro de 2013 | 04h42

"No curto prazo, de três a cinco anos, será difícil para a China reestruturar sua economia devido às altas taxas de poupança da nação. Isso significa que a China irá depender primariamente de investimentos para crescer", afirmou durante um seminário financeiro.

O membro do PBoC explicou que a alta taxa de poupança decorre parcialmente do envelhecimento da população e de uma falta de confiança na rede de segurança social.

Ao falar sobre o setor imobiliário, Song disse que os preços devem enfrentar alguma pressão negativa, já que os formuladores de política querem expandir os impostos atualmente em vigor em Xangai e em Chongqing. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaInvestimentosPBoC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.