Tingshu Wang/Reuters
Tingshu Wang/Reuters

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

China aposta em temporada de descontos para ressuscitar o varejo

Com empenho maior dos varejistas para atrair o consumidor, promoções do Dia dos Solteiros, oficialmente nesta quarta, começaram no início do mês; recuperação do comércio chinês é sinal promissor para a economia global

Eva Dou, WP Bloomberg

11 de novembro de 2020 | 13h52

SEOUL, Coreia do Sul - Os varejistas duramente atingidos pelo coronavírus pediram aos consumidores da China que dessem um passo à frente e, nesta semana, os compradores deram um pequeno passo para seus guarda-roupas e um grande salto para a recuperação econômica. 

Os gigantes do e-commerce chinês Alibaba e JD.com relataram vendas em alta nesta quarta-feira, 11, no festival de compras anual do país, o Dia dos Solteiros - um equivalente da Black Friday -, embora tenham sido obrigados a fazer mais esforços do que o normal, com um período de vendas estendido e lotes de cupons promocionais. A recuperação do segundo mercado consumidor do mundo é um sinal promissor para a economia global.

Cathy Tu, de 53 anos, proprietária de uma empresa de consultoria educacional em Pequim, disse que comprou roupas de inverno para seus pais nas vendas online. Ela disse que, por causa da pandemia, está um pouco mais cuidadosa com seus gastos. “Antes, talvez eu comprasse algumas roupas extras só porque estavam com desconto”, disse. “Desta vez comprei coisas de que precisava.”

Mesmo como empenho dos varejistas para compensar as perdas do início do bom com o Dia dos Solteiros, dificilmente eles conseguirão, acredita Becky Han, diretora associada de pesquisa corporativa da China na agência de classificação de risco Fitch Ratings. Ela calcula que o mercado consumidor chinês terminará o ano com uma queda de apenas um dígito nas vendas.

“As promoções pesadas provavelmente aumentarão os gastos da maioria das famílias de classe média cujas rendas são mais afetadas pela pandemia”, disse ela.

O festival de compras acontece num momento em que o Alibaba enfrenta uma série de questões regulatórias, além da crise econômica global. Na terça-feira, 10, Pequim anunciou que está elaborando uma lei antitruste para conter o poder dos gigantes da internet, o que fez com que as ações do Alibaba despencassem até 9% nesta quarta.

No início deste mês, os reguladores financeiros suspenderam os planos de abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) do Ant Group, braço de serviços financeiros do Alibaba, o que foi um choque para o setor.

O escrutínio regulatório pode significar dores de cabeça para o Alibaba nos próximos meses. Mas, enquanto isso, os compradores estavam gostando das pechinchas.

Wang Yajing, documentarista de 33 anos moradora de Pequim, disse que ela e muitos de seus amigos esperaram até meia-noite para finalizar compras nos primeiros minutos desta quarta. “Você pode colocar as coisas no carrinho com antecedência, mas tem que esperar até depois da meia-noite para ter os descontos”, explicou. “Eu não queria acordar na manhã seguinte e descobrir que estava tudo esgotado.” Ela encomendou nozes secas e outros alimentos para a mãe, além de produtos domésticos como sabão em pó para ela.

O Dia dos Solteiros - assim chamado porque a data 11/11 lembra quatro pessoas avulsas - começou na China como uma celebração irônica dos jovens sobre sua solteirice. Desde 2009, o Alibaba transformou o dia num festival de compras, com participações de celebridades (Katy Perry fez uma aparição virtual este ano) e descontos em tudo, de TVs de tela plana a casas.

Desta vez, o Alibaba destacou várias marcas ocidentais para o festival de descontos, como a casa francesa de produtos de luxo Cartier e a marca de aspiradores de pó Bissell Homecare, de Grand Rapids, Michigan.

Duncan Clark, presidente da empresa de consultoria BDA China, disse que as vendas do Dia dos Solteiros refletem a recuperação econômica na China, que tem sido mais rápida do que nos Estados Unidos e na Europa. “Eles estão falando em medidas paliativas no Ocidente, mas aqui estamos falando em terapia de varejo”, disse Clark, que mora em Pequim.

As empresas de comércio eletrônico da China também fizeram um esforço extra para garantir que pudessem declarar que o Dia dos Solteiros foi bem-sucedido. O Alibaba começou as vendas especiais em 1.º de novembro, estendendo a ocasião para uma semana e meia de promoções e dificultando uma comparação direta com o desempenho do ano passado.

O vice-presidente da Alibaba, Liu Bo, disse em entrevista coletiva no mês passado que a empresa estava gastando mais do que nunca no Dia dos Solteiros, com colossais 4 bilhões de yuans (o equivalente a US$ 606 milhões, ou R$ 3,2 bilhões) em vouchers de descontos para os clientes. O Alibaba disse que vendas nesta quarta somaram US$ 56 bilhões e está contando com um grande volume de mercadorias durante as promoções do resto do mês, com as marcas Apple, Nike e L'Oréal entre os destaques de vendas.

Alibaba e JD.com tentaram atrair o interesse dos consumidores com lives de vendas e jogos para celular transmitidos ao vivo. No Alibaba, os compradores podiam ganhar cupons regando uma planta virtual ou acariciando um gato, enquanto os compradores da JD.com podiam obter descontos alimentando um cachorro virtual em seus telefones.

Liu Hui, diretor de dados do instituto de pesquisa de big data da JD.com, disse numa entrevista na terça-feira que a empresa teve fortes vendas de produtos de saúde e bem-estar neste Dia dos Solteiros, possivelmente um efeito da pandemia do coronavírus. As vendas de suplementos de saúde e esteiras aumentaram em relação ao ano passado. “Os consumidores chineses estão mais preocupados com a saúde agora”, afirmou.

Ouyang Haotian, de 21 anos, estudante universitário de Guangzhou, disse que não é um grande comprador online, mas aproveitou a data para comprar uma escova de dentes elétrica. “Era algo de que eu precisava muito, então era uma boa pegar uma promoção”, disse ele. / Lyric Li do Washington Post em Pequim contribuiu para esta reportagem. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.