China aprova construção de parque da Disney em Xangai

Projeto do empreendimento deve ser um dos maiores investimentos externos já registrados na China

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

04 de novembro de 2009 | 14h45

A Walt Disney Co. informou nesta última terça-feira, 3, ter recebido aprovação do governo central da China para seguir adiante com o plano de construir um parque temático em Xangai. A aprovação, embora prevista há algum tempo, vai permitir que o conglomerado realize o projeto que deve ser um dos maiores investimentos externos já registrados na China.

 

As estimativas para o investimento do parque estão em torno de US$ 4 bilhões, segundo notícia do Wall Street Journal. O parque permitiria à Disney estabelecer presença direta em um mercado que, apesar do tamanho, tem apresentado inúmeros obstáculos a empresas de entretenimento estrangeiras.

 

O governo de Xangai confirmou o plano em comunicado ontem, apenas dias antes da visita do presidente Barack Obama a Xangai, prevista para 15 de novembro. Segundo o governo, o acordo foi aprovado por Pequim no final de outubro.

 

Discussões para construção de um parque em Xangai vêm acontecendo há quase uma década. Um pedido para construir o parque foi feito pelo governo municipal às autoridades centrais em janeiro, indicando que havia um acordo sobre os detalhes básicos do plano. Agora, detalhes como assegurar o terreno e obter a aprovação necessária de outras autoridades podem seguir adiante.

 

A Disney já opera um parque temático em Hong Kong. Mas o parque de Xangai, a ser localizado no distrito de Pudong, será bem maior e oferecerá acesso direto ao mercado local. Os chineses que moram na China precisam obter visto e permissão especial para viajar a Hong Kong.

 

O comunicado do governo afirmou que as duas partes terão agora mais discussões detalhadas e estão comprometidas com "a cooperação de longo prazo para construir um Disney Park de classe mundial em Pudong". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
DisneyChinaXangai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.