China aumenta depósito compulsório pela 4ª vez no ano

PEQUIM

, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2011 | 00h00

A China anunciou o aumento na parcela que os bancos devem manter como reserva. O aumento do chamado compulsório bancário ocorreu pela quarta vez este ano no país, em mais um passo na batalha contra a inflação, após dados mostrarem que os preços aos consumidores tiveram os maiores aumentos em quase três anos em março.

O Banco Central da China (PBOC, o banco central chinês) anunciou no domingo o aumento no compulsório em 0,50 ponto porcentual. A medida entra em vigor na próxima quinta-feira, dia 21.

"Pequim não esperou muito para responder ao forte número da inflação da sexta-feira", notou o economista Brian Jackson, do Royal Bank of Canada, em nota. "A medida sugere outro aumento nas taxas de juros a caminho para breve", avaliou.

A medida é tomada semanas após a última elevação na taxa de juros. Na sexta-feira, foi revelado que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) acumulado em 12 meses subiu 5,4% em março no país, a maior alta desde julho de 2008.

Liquidez. Um economista do UBS, Wang Tao, disse que uma grande quantidade de investimento estrangeiro no primeiro trimestre gerou mais liquidez, elevando a pressão para que o BC tomasse essa medida.

As reservas estrangeiras da China saltaram em US$ 197,4 bilhões no primeiro trimestre, chegando a US$ 3,0447 trilhões. Economistas dizem que isso é um provável sinal de grandes influxos de capital especulativo, buscando retornos com a valorização do yuan.

O presidente do PBOC, Zhou Xiaochuan, disse em entrevista à agência estatal Xinhua que a política monetária seguirá "apropriadamente restrita" por algum tempo. A entrevista foi divulgada no site da agência estatal pouco antes do anúncio da elevação.

Ao forçar os bancos a terem mais depósitos em reserva, o BC deve enxugar 370 bilhões de yuans (US$ 56,6 bilhões) em liquidez, segundo cálculos da Dow Jones baseados em dados do BC sobre depósitos no final de fevereiro. / DOW JONES NEWSWIRE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.