China aumentará compulsório de alguns bancos

BC chinês quer conter o fluxo de capital estrangeiro e o crescimento do crédito 

Hélio Barboza, da Agência Estado,

10 de novembro de 2010 | 07h41

O governo chinês pediu que alguns grandes bancos deixem mais dinheiro depositado no banco central, intensificando seu esforço para conter o crescimento do crédito diante das preocupações com a alta da inflação e o indesejado fluxo de capital estrangeiro puxado pela política de super afrouxamento monetário do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA).

O Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país) aumentará o depósito compulsório de alguns bancos específicos, incluindo alguns dos maiores bancos estatais do país, em 0,5 ponto porcentual a partir da próxima segunda-feira, de acordo com duas fontes próximas ao assunto. A medida deve ser temporária, disseram as fontes, que não quiseram ser identificadas e não deram mais detalhes.

O aperto vem depois que o PBOC elevou suas taxas básicas de juros pela primeira vez em quase três anos no mês passado, no que alguns economistas dizem que pode ter sido o começo de um ciclo de aperto monetário na segunda maior economia do mundo, cujo crescimento continua em ritmo acelerado a despeito da fraca expansão no mundo desenvolvido.

O banco central fez um movimento semelhante no mês passado, quando a medida teria atingido seis bancos. A autoridade monetária também aumentou o compulsório três vezes neste ano. A elevação do compulsório reduz a liquidez do sistema financeiro e diminui as pressões inflacionárias, que devem se apresentar em alta quando for divulgado o índice de preços ao consumidor, nesta quinta-feira.

"Pode ter havido dados mostrando que os bancos ainda estão sendo generosos na concessão de crédito, com alguns recebendo agora um tapa no ombro e um pedido para se comportarem", disse o economista Song Seng Wun, do banco CIMB. Ele afirmou que o PBOC pode ter decidido não fazer um anúncio formal sobre a medida por questão de coerência, uma vez que oficialmente a instituição não mudou sua política monetária moderadamente frouxa. "O próximo movimento pode ser uma declaração formal de uma mudança em sua posição sobre a política monetária", disse Wun. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.