China calcula forte aumento do consumo durante feriado

Os gastos dos consumidores chineses aumentaram fortemente durante a recém-encerrada semana do Ano-Novo Lunar, apesar da desaceleração da economia do país, afirmou o Ministério do Comércio neste sábado. As vendas no varejo subiram para 290 bilhões de iuans (42,5 bilhões de dólares) na semana encerrada neste sábado, 13,8 por cento acima do mesmo período de festas do ano passado, de acordo com estimativas do ministério. O número representa uma freada em relação à alta de 19 por cento das vendas no varejo em dezembro, mas pode indicar que o setor de consumo da China se mantém razoavelmente bem mesmo com a queda acentuada do crescimento econômico. A expansão do Produto Interno Bruto (PIB) diminuiu para 6,8 por cento no trimestre passado, puxando a taxa de crescimento de 2008 para 9,0 por cento, a menor em sete anos. Os gastos no varejo durante o feriado do Ano-Novo Lunar em 2008 foram afetados por intensas tempestades de neve que interromperam o tráfego aéreo e ferroviário e complicaram a viagem de milhões de passageiros. As viagens no feriado deste ano foram muito mais tranquilas. A venda nacional de alimentos nas principais lojas do país durante a semana passada saltou 23 por cento em valor, enquanto a venda de bebidas teve alta de 17,5 por cento e a de tabaco cresceu 14,7 por cento, estimou o ministério. A venda de dispositivos elétricos para residências, apoiada por um programa de subsídios à zona rural, avançou 17,8 por cento. Nos últimos 20 dias, os chineses fizeram em média 4,4 milhões de viagens ferroviárias por dia --muitos deles para cruzar o país e se reunir com suas famílias, de acordo com o ministro do setor ferroviário em entrevista à agência oficial de notícias Xinhua. O dado representa uma alta de 15,6 por cento em relação ao ano passado. Ao todo, 248 milhões de pessoas viajaram pelo sistema rodoviário na semana encerrada neste sábado, alta de 5,6 por cento em relação ao ano passado, afirmou o ministro dos transportes. (Reportagem de Andrew Torchia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.