Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

China enfrenta cenário econômico mais difícil que em 2020, no início da pandemia, diz premiê

Segundo a imprensa estatal, Li Keqiang afirmou que, desde março, indicadores de indústria, consumo de eletricidade e transporte 'caíram significativamente'

André Marinho, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2022 | 15h31

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, admitiu nesta quarta-feira, 25, que a segunda maior economia do planeta enfrenta um quadro, "em alguns aspectos", mais desafiador do que o observado no início da pandemia, em 2020. Segundo a imprensa estatal, o premiê afirmou que, desde março, indicadores de indústria, consumo de eletricidade e transporte "caíram significativamente".

Durante reunião do governo, Li Keqiang ressaltou que as autoridades devem trabalhar para "estabilizar" a atividade com objetivo de assegurar um "crescimento razoável" no segundo trimestre e reduzir a taxa de desemprego

Pequim deve divulgar um pacote com 33 políticas econômicas em seis áreas até o fim de maio, ainda de acordo com a nota.

O primeiro-ministro enfatizou que tanto o governo central quanto os locais têm responsabilidade no processo. Segundo ele, o Estado deve assegurar o desenvolvimento econômico e social, sem descuidar da prevenção e controle do coronavírus.

A avaliação de Li Keqiang expõe o impacto do rígido controle da covid-19 na economia chinesa. Analistas questionam se o país conseguirá alcançar a meta de crescimento de "cerca de 5,5%" do Produto Interno Bruto (PIB) este ano estabelecida pelo governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.