China condena executivos da Rio Tinto a até 14 anos de prisão

Funcionários foram acusados de espionagem comercial e recebimento de suborno 

Hélio Barboza, da Agência Estado,

29 de março de 2010 | 06h37

Um tribunal de Xangai emitiu nesta segunda-feira os veredictos de condenação para os quatro executivos da mineradora anglo-australiana Rio Tinto acusados de espionagem comercial e recebimento de suborno, dando sentenças que variam de sete a 14 anos de prisão.

O cidadão australiano Stern Hu foi condenado a um total de 10 anos de prisão, incluindo cinco por espionagem comercial e sete por suborno, com dois desses anos cumpridos simultaneamente. O tribunal também multou Hu em 500 mil yuans e confiscará o equivalente a outros 500 mil yuans de seus bens. Wang Yong foi condenado a 14 anos sob as duas acusações, Ge Minqiang a oito anos e Liu Caikui a sete anos.

A decisão não surpreendeu, uma vez que poucos casos na China acabam em absolvição. Mas o processo pode ter profundas implicações para as empresas multinacionais que fazem negócios na China, em meio às crescentes preocupações de que o país esteja se tornando menos receptivo aos investidores estrangeiros. A corte não indicou se os advogados de defesa vão apelar contra a decisão.

Um grupo de siderúrgicas chinesas foi apontado pelo tribunal como tendo subornado os quatro executivos da Rio Tinto a fim de garantir o fornecimento de minério de ferro. O grupo inclui Laiwu Steel Group, Rizhao Steel Group, Sinochem International Co. e Tianjin Rongcheng Steel Group, entre outras. As quatro são siderúrgicas de porte médio, sem acesso ao sistema de preços de referência do minério, e que, portanto, dependem do mercado à vista (spot) para o fornecimento da matéria-prima. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaRio Tintosubornoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.