Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

China continua crucial, afirma economista do Goldman

Jim O?Neill, o célebre economista do banco Goldman Sachs que criou o conceito ?BRIC? (Brasil, Rússia, Índia e China como futuras potências econômicas mundiais), mantém a tranqüilidade nesses tempos de incertezas sobre a economia mundial. O?Neill observou que os agentes do mercado, mesmo nesse momento de forte nervosismo, não devem esquecer como o mundo está se transformando. A esse respeito, a China continua crucial, segundo ele.?A aceleração da demanda doméstica na China oferece a muitos países a esperança de que um forte mercado de exportação ainda estará aberto caso ocorra um período contínuo de crescimento fraco nos Estados Unidos.? Além disso, observou o economista, outros países em desenvolvimento continuam a sustentar um forte crescimento, liderados, em termos de importância, pelos outros BRICs - Brasil, Rússia e Índia.O?Neill salientou que os investidores não deveriam ignorar o fato de que o mercado acionário chinês, ?freqüentemente considerado excessivamente valorizado?, continua atingindo novos picos, quase diariamente, ?e por isso nem tudo está doente no mundo?. Além disso, embora tenham ocorrido correções em outros países do grupo, elas têm sido relativamente pequenas. ?O mercado do Brasil continua acumulando alta próxima dos 20% desde o início do ano, a Índia algo em cerca de 9% e a Rússia próxima dos 15%.? As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

AE, Agencia Estado

16 de agosto de 2007 | 08h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.