China convoca bancos para reduzir risco de empréstimos

A Comissão Reguladora Bancária da China cobrou dos bancos que melhorem seu gerenciamento de risco após uma escalada de novos empréstimos nos oito primeiros meses do ano. "Com a rápida expansão dos financiamentos, todos os tipos de risco também estão crescendo no setor", afirmou o presidente da entidade, Liu Mingkang, durante conferência em Xangai.

AE-AP, Agencia Estado

19 de setembro de 2009 | 09h19

O plano de estímulo econômico chinês, de US$ 586 bilhões, resultou em gastos pesados com obras públicas e ajudou a impulsionar o investimento em equipamentos industriais e construção. Por outro lado, o pacote também trouxe o riscos de bolhas e calotes.

Os empréstimos bancários da China alcançaram o nível recorde de US$ 1,1 trilhão no primeiro semestre do ano, alcançando US$ 1,2 trilhão no fim de agosto, segundo o Banco do Povo da China. Em todo o ano de 2008, os financiamentos somaram US$ 750 mil.

O Comitê Central do Partido Comunista declarou ontem, durante o encerramento de seu encontro anual de quatro dias, que "o país deve manter sua política fiscal proativa e sua política monetária moderadamente flexível". Mas ponderou que deve dar mais ênfase a ajustes estruturais, inovação, eficiência energética e proteção ambiental. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinabancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.