China corta tarifas de importação para impulsionar consumo

Imposto será reduzido em cerca de 50% para produtos cosméticos, sapatos e roupas, informou o Ministério das Finanças chinês

DOW JONES NEWSWIRES

25 Maio 2015 | 10h57

Pequim - O ministério das Finanças da China anunciou nesta segunda-feira que irá reduzir em cerca de 50% as tarifas de importação para produtos cosméticos, sapatos e roupas, na tentativa de estimular o consumo.

Segundo o ministério, os produtos domésticos terão suas tarifas reduzidas de 5% para 2%. Ternos e roupas de pele terão suas tarifas reduzidas para algo entre 7% e 10%, da faixa atual de 14% a 23%. As tarifas de sapatos e botas sem cano cairão de 24% a 12%, enquanto a fralda descartável cairá para 2%, de 7,5%.

As medidas começam a valer dia 1º de junho. Segundo o Conselho do Estado, elas são destinadas a incentivar o consumo.

A redução das tarifas de importação vem sendo estudada há tempos pelo governo como uma medida de estímulo. Entretanto, temia-se o efeito de tais medidas sobre a arrecadação. Ao que tudo indica, a desaceleração da economia convenceu o governo a tomar medidas mais agressivas para incentivar a economia.

Mais conteúdo sobre:
China:importaçãocosméticos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.