finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

China deve amenizar controle sobre investimentos

Os líderes da China prometeram amenizar as medidas de controle sobre investimentos e promulgar reformas no setor fiscal e agrário, de acordo com a rádio estatal China National Radio. Com poucos detalhes, a emissora citou um comunicado divulgado pelo Partido Comunista após a conclusão de uma importante reunião que durou quatro dias em Pequim.

LUCAS HIRATA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES E DA MARKET NEWS INTERNATIONAL, Agencia Estado

12 de novembro de 2013 | 10h53

Segundo a rádio, o documento oficial do partido exigia medidas que permitam que os agricultores recebam mais receita de suas terras. O território rural na China é de propriedade coletiva. Economistas dizem que dar mais direitos sobre a terra aos agricultores pode permitir que eles arrecadem mais capital e aumentem a produtividade. Esta reforma também pode ajudar os líderes chineses a intensificarem os planos de urbanização e a estimularem a mudança econômica em direção a um modelo de desenvolvimento com maior dependência de gastos dos consumidores.

A emissora também afirmou, ao citar o comunicado, que a China deve amenizar os controles sobre investimentos. Entre outras áreas destacadas, a rádio afirmou que reformas no setor de defesa e no sistema político deverão ser aprofundadas. Além disso, os líderes chineses também tentarão reduzir as diferenças de renda no país.

Como já era esperado, o comunicado trouxe poucos detalhes e apenas delineou os acordos conquistados durante o encontro, conhecido como a terceira sessão plenária do Comitê Central do Partido Comunista, que terminou nesta terça-feira.

"O governo acelerará a transição do padrão de crescimento econômico e acelerará a construção de um país mais inovador e pressionará por um desenvolvimento mais eficiente, justo e sustentável", disse o comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinareformasinvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.