China deve manter política monetária prudente para sustentar reformas, diz banco central

A China pode prejudicar reformas estruturais se adotar uma política monetária excessivamente frouxa, disse o governador do banco central Zhou Xiaochuan neste domingo, prometendo a aliviar os controles sobre o capital para ajudar a tornar o iuan uma moeda totalmente conversível.

REUTERS

22 de março de 2015 | 10h05

Zhou também procurou acalmar as preocupações sobre o impacto dos fluxos de capitais voláteis sobre a economia da China, dizendo que as reservas cambiais fornecem um amortecedor e que o país tem a capacidade de lidar com saídas especulativas de curto prazo.

Zhou reiterou que o banco central ainda mantém a sua política monetária prudente, apesar dos cortes recentes nas taxas de juros bancárias e nas taxas de recolhimento compulsório.

O banco central da China tem mantido a política desde 2011, aumentando ou reduzindo as taxas de juros de acordo com mudanças na economia. Mas tem salientado a necessidade de ajustar a política de apoio ao crescimento, que em 2014 registrou seu ritmo mais lento em 24 anos, em 7,4 por cento.

"Se adotarmos política monetária excessivamente frouxa, não será favorável para as reformas estruturais", disse Zhou em uma conferência em Pequim.

Zhou disse que a China está fazendo progressos no sentido de tornar o iuan conversível na conta de capital, embora o Fundo Monetário Internacional não exija que a moeda chinesa seja plenamente conversível para ser incluída na sua cesta SDR, de direitos especiais de saque.

(Por Kevin Yao)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 5644 7762))

REUTERS GB

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINABANCOCENTRAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.