China diz que acelerará reformas para incluir yuan na cesta de moedas do FMI

O governador do banco central da China, Zhou Xiaochuan, disse que Pequim irá acelerar as reformas na moeda do país para promover a inclusão do yuan na cesta de moedas do Fundo Monetário Internacional (FMI), conhecida como Direitos Especiais de Saque (SDR) informou neste sábado a agência de notícias oficial Xinhua.

REUTERS

18 de abril de 2015 | 11h16

As declarações de Zhou foram feitas em entrevista com jornalistas de Xinhua em Washington, na sexta-feira, durante participação em reunião do FMI.

A China tem se comprometido a abrir mais sua conta de capital e a liberalizar a forma em que se faz essas trocas, com uma intervenção menor no mercado doméstico de moedas.

Essa liberalização aliviaria as apreensões que existem entre os membros do FMI, que temem que incorporar o yuan aumentaria os riscos de política e de liquidez no regime do SDR.

Mais conteúdo sobre:
MACROCHINAFMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.