China diz que caminha para 'crescimento normal'

A economia da China caminha em direção a um crescimento normal e sua expansão em 2010 assenta um bom alicerce para 2011, disse hoje Ma Jiantang, diretor do Escritório Nacional de Estatísticas, após a divulgação dos dados sobre a economia do país no ano passado. Ma observou que a economia chinesa evitou tanto o superaquecimento quanto um duplo mergulho. O desemprego no ano passado foi de 4,1% no país.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

20 de janeiro de 2011 | 09h32

Já a alta do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), de 3,3% em 2010, ficou basicamente em linha com a meta do governo, disse o diretor do órgão de estatísticas. A meta oficial era de cerca de 3%. Ma afirmou que a China vai manter em 2011 sua política macroeconômica estável, mas flexível.

O Produto Interno Bruto (PIB) se acelerou inesperadamente, para 9,8%, no quarto trimestre de 2010, ante os 9,6% do terceiro trimestre, a despeito de uma série de medidas de aperto monetário adotadas por Pequim.

Pacote

A desaceleração da inflação ao consumidor da China em dezembro do ano passado mostra que o pacote de medidas do governo para conter a alta dos preços atingiu um sucesso inicial, declarou em comunicado a Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (NDRC, na sigla em inglês), órgão oficial de planejamento econômico do país.

Porém, os fatores fundamentais que colocam pressão de alta sobre os preços não foram eliminados, afirmou o órgão. Há vários fatores pressionando os preços no primeiro trimestre deste ano, incluindo a inflação importada dos mercados internacionais, as elevadas expectativas inflacionárias e a demanda adicional durante o feriado do Ano Novo Lunar, em fevereiro. A NDRC prevê, para o primeiro trimestre de 2011, que o nível geral de preços se mantenha elevado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinacrescimentoPIBinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.