China diz que economia enfrenta pressões e ajustes finos são necessários

A economia chinesa ainda enfrenta pressões "relativamente grandes" e são necessários ajustes finos de política em momento oportuno, disse o premiê Li Keqiang nesta sexta-feira segundo a rádio estatal.

Reuters

23 de maio de 2014 | 09h44

O crescimento econômico anual desacelerou para 7,4 por cento no primeiro trimestre, elevando o risco de que a China pode não atingir sua meta de crescimento econômico --definida em 7,5 por cento para 2014-- pela primeira vez em 15 anos.

"Atualmente, a economia está no geral estável e vemos mudanças estruturais positivas, mas as pressões ainda são grandes e não podemos ser complacentes", disse Li durante uma visita à região da Mongólia Interior.

"Devemos usar ferramentas de política adequadas e ajustes finos preventivos em momento oportuno e de maneira apropriada para ajudar a resolver as dificuldades financeiras para a economia real, especialmente as dificuldades de pequenas empresas em financiamento e altos custos de empréstimos", disse ele.

O governo tem usado medidas direcionadas de política, incluindo investimentos acelerados em ferrovias e moradias acessíveis e cortes de impostos para empresas menores, para apoiar o crescimento na segunda maior economia do mundo.

(Por Jenny Su e Kevin Yao)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAECONOMIAPRESSOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.