Johannes Eisele / AFP
Johannes Eisele / AFP

China diz que negociações comerciais com EUA devem se basear no 'respeito mútuo'

Nesta segunda, à margem de uma visita ao Japão, Donald Trump disse que há ‘boas chances’ de chegar a um acordo

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2019 | 09h04

PEQUIM - A China afirmou nesta segunda-feira, 27, que qualquer negociação comercial com os Estados Unidos deve se basear no "respeito mútuo" e na igualdade, depois que o presidente Donald Trump disse que há "boas chances" de chegar a um acordo

"Nós sempre dissemos que as diferenças entre os dois países devem ser resolvidas por meio de negociações e consultas amistosas", disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang.

Nesta segunda, à margem de uma visita ao Japão, Trump disse que "dentro de algum tempo, a China e os EUA fecharão um formidável acordo comercial e esperamos esse momento com entusiasmo".

As duas maiores potências econômicas do mundo negociam desde janeiro um acordo para acabar com a guerra comercial iniciada em 2018, que resultou em tarifas punitivas mútuas sobre centenas de milhares de dólares de mercadorias.

Mas a tensão aumentou este mês, depois que Trump decidiu impor um novo aumento de tarifas a mais de US$ 200 bilhões de produtos chineses.

Também contribuiu para o conflito a recente decisão do governo americano de colocar a Huawei em sua lista de empresas que ameaçam a segurança nacional, levando companhias como o Google a cortar os laços com a fabricante chinesa de telefones celulares.

"Temos visto diferentes declarações sobre as negociações, inclusive de altos funcionários americanos", disse o porta-voz chinês. "Algumas vezes dizem que um acordo será alcançado em breve e outras que será difícil chegar a ele", mas "a posição da China tem sido constante", ressaltou Lu. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.