China diz que pressão dos EUA por valorização do yuan é ‘insensata’

Na véspera, o presidente Obama acusou o país de não ter feito o suficiente para elevar a cotação da moeda

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

21 de setembro de 2010 | 11h46

A porta-voz do ministério de Relações Exteriores da China, Jiang Yu, disse que a pressão norte-americana para apreciação do yuan é "insensata e míope", em resposta a comentários feitos ontem pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que o país não teria feito o suficiente para elevar a cotação da moeda.

"Recentemente, tem havido comentários não harmoniosos nos Estados Unidos criticando a taxa de câmbio do yuan", disse Jiang, por meio de uma nota divulgada pelo ministério. Ela acrescentou que alguns nos EUA estão "considerando a utilização de todos os meios possíveis para pressionar a favor da apreciação do yuan. Isto é insensato e míope", afirmou na nota.

A tensão entre os EUA e a China tem aumentado em relação ao yuan, com muitas autoridades e legisladores nos EUA dizendo que a apreciação da moeda chinesa desde 19 de junho, quando o país disse que aumentaria a flexibilidade do yuan, tem sido insuficiente. Foram apresentadas leis no Congresso norte-americano para cobrar impostos sobre as importações chinesas se o país não permitir uma apreciação de sua moeda.

Obama disse ontem que em entrevista à rede de notícias CNBC que a moeda chinesa é um "problema real" e que os Estados Unidos pressionaram o país para deixar o yuan subir. Obama deve se reunir com Wen na quinta-feira. "Eles disseram sim na teoria, mas na verdade não fizeram tudo o que era necessário ser feito", disse Obama.

Jiang repetiu que a apreciação do yuan não irá resolver o déficit comercial dos Estados Unidos, acrescentando "haver um considerável consenso sobre isso dentro dos EUA".

Na nota, a porta-voz diz ainda que a China e os Estados Unidos deveriam centrar foco na consolidação da recuperação econômica e que os EUA, como emissor de moeda de reserva, deveria seguir implementando políticas fiscais e monetárias responsáveis, além de manter a estabilidade das principais taxas de câmbio, contribuindo, dessa forma, para a recuperação econômica global.

Hoje, o yuan subiu pelo nono dia seguido contra o dólar no mercado local, após o banco central chinês novamente fixar a paridade dólar/yuan em nível recorde de baixa. Desde 19 de junho, o yuan subiu 1,9% contra o dólar. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
chinaeuavalorizaçãoyuaninsensata

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.