China e países de língua portuguesa assinam acordo

A China assinou hoje um acordo com os sete países de língua portuguesa para estreitar as alianças comerciais, os investimentos e a cooperação nas áreas de agricultura, pesca, construção, engenharia e recursos naturais. "O objetivo é definir medidas concretas que sejam traduzidas em mais comércio, investimentos e cooperação", disse o vice-primeiro ministro de Portugal, José Luís Arnaut, durante a cerimônia de assinatura do acordo, em Macau, ex-enclave português que servirá como principal elo entre a China e Brasil, Portugal, Guiné Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique e Timor Leste."Esta é uma grande oportunidade para abrirmos o diálogo com os países de língua portuguesa e principalmente com a China, que assumiu este ano o posto de segundo parceiro comercial do Brasil", disse o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, por meio da assessoria. Ele representa o Brasil no Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que acontece em Macau.Segundo ele, a China já é o segundo parceiro comercial do País, só perdendo para os Estados Unidos. De janeiro a setembro deste ano, o Brasil exportou para a China US$ 3,4 bilhões, o que corresponde a 6,4% do total das vendas ao exterior. O crescimento das vendas para a China é de 89%, se comparado ao mesmo período do ano passado, quando as exportações chegaram a US$ 1,8 bilhão. Ao todo, 17 empresários acompanham Furlan na missão à China. O vice-ministro do Comércio da China, An Min, declarou que o acordo servirá como um guia de cooperação comercial e econômica. As autoridades de Macau pretendem dobrar o comércio anual entre a China e países de língua portuguesa nos próximos cinco ou sete anos, atualmente em US$ 6 bilhões por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.