China e Rússia pedem que países mantenham estímulos

Em um comunicado conjunto divulgado hoje, China e Rússia afirmaram que os países ao redor do mundo deveriam manter políticas de estímulo econômico com base nas condições de suas economias, enquanto também mantêm a estabilidade financeira. O comunicado, postado na página do governo central da China na internet, é consequência da visita de Estado do presidente russo, Dmitry Medvedev, ao país.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

28 de setembro de 2010 | 12h08

Segundo o documento, embora a economia mundial esteja se recuperando, parte dos problemas principais não foi totalmente solucionada. "O impacto da crise financeira internacional ainda está sendo sentido e a base da recuperação ainda não está sólida", destacou a nota. O comunicado também pediu que os países-membros do G-20 - grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo - implementem as reformas propostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Isso poderá dar à China e a outras economias emergentes uma autoridade maior sobre a organização na conferência que será realizada em Seul, na Coreia do Sul, em outubro. China e a Rússia também "se opõem a todas as formas de protecionismo", informou o comunicado. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.