China eleva entrada exigida na compra da segunda casa

O gabinete de governo da China decidiu elevar o pagamento inicial mínimo para a compra de uma segunda residência no país, de 50% para 60%, na tentativa de esfriar ainda mais o mercado imobiliário, informou hoje a rádio estatal. Em reunião presidida pelo primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, o Conselho Estatal pediu que autoridades locais estabeleçam metas de preços razoáveis para os imóveis neste ano até o fim do primeiro trimestre.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

26 de janeiro de 2011 | 11h02

O gabinete reiterou que as taxas de empréstimos hipotecários para compra de segunda residência devem ser, no mínimo, 10% acima das taxas de juros para empréstimos de referência do governo. O governo central da China estabeleceu essa exigência em abril do ano passado. O governo também decidiu hoje limitar as compras de residências em algumas grandes cidades do país, nas quais os preços vêm subindo fortemente. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.