finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

China: Ex-conselheiro do BC vê inflação de 3,1% no ano

A inflação na China deverá desacelerar para a faixa entre 2% e 3% entre maio e agosto, e a inflação para o ano de 2012 deverá rumar para cerca de 3,1%, diante da desaceleração da economia doméstica, disse, neste domingo, o ex-conselheiro do Banco do Povo da China (PBoC), Li Daokui.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

29 de abril de 2012 | 11h22

"A inflação não deve ser um problema importante neste ano", afirmou ele, que deixou o cargo em março. O executivo não deu detalhes sobre sua avaliação.

O índice de preços ao consumidor (IPC) da China subiu 3,6% em março, ante o mesmo período no ano passado, acima da alta de 3,2% em fevereiro. Em 2011, o IPC chinês subiu 5,4%.

O crescimento econômico mais lento no primeiro trimestre merece atenção apesar de sinais de estabilização, e Pequim deveria fazer ajustes apropriados na política de controle macroeconômico, disse Li.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 8,1% no primeiro trimestre, ante o mesmo período do ano passado, no menor ritmo de expansão desde o primeiro trimestre de 2009. O PIB teve desaceleração ante a alta de 8,9% no último trimestre do ano passado.

Ele avalia que as autoridades deveriam dar continuidade à reforma tributária e também conduzir medidas de ajuste fino na política fiscal. Li avalia que o Fundo Monetário Internacional (FMI) não tem dado atenção necessária para o encolhimento dos "déficits gêmeos" da China, o que indica que a China deu início à transição econômica. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinainflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.