China exige que EUA cortem impostos anti-subsídio

- O governo chinês exigiu neste sábado, 31, que os Estados Unidos revertam sua decisão de aplicar encargos anti-subsídios nas importações de papel brilhante da China. "O lado chinês exige fortemente que os EUA reconsiderem esta decisão e a corrijam o mais rápido possível", disse o porta-voz do Ministério do Comércio em nota. O secretário de Comércio norte-americano, Carlos Gutierrez, anunciou na sexta-feira um direito de compensação preliminar de 10,90% contra a Shandong Chenming Paper Holdings e de 20,35% contra a Gold East Paper (Jiangsu) Co., em uma ação movida no ano passado pela empresa NewPage Corp., uma fabricante de Dayton, Ohio. Uma taxa preliminar de 18,16% será aplicada a todas as outras exportações chinesas de papel brilhante. O Ministério do Comércio vai determinar a taxa no final do ano. Até lá, os importadores terão que lançar bônus ou fazer depósitos no Serviço Alfandegário dos Estados Unidos, com base nos níveis de imposto preliminares. "Esta ação pelo lado americano vai contra o consenso obtido entre os líderes dos dois países para resolver contradições através do diálogo", disse Wang. Ele disse que a China observaria os próximos passos de perto e se reservaria o direito de proteger seus interesses e direitos legítimos. As importações norte-americanas de papel brilhante da China aumentaram de US$ 29 milhões em 2004 para US$ 224 milhões em 2006. A NewPage também está tentando obter uma taxa anti-dumping de quase 100% contra a China. Taxas anti-dumping são as taxas para mercadorias vendidas abaixo do valor justo de mercado, mesmo sem o envolvimento de subsídios. O anúncio colocou pressão sobre o dólar norte-americano devido à preocupação de que possa representar a mudança para uma posição mais protecionista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.