China inspecionará frigoríficos brasileiros

Agentes vão verificar condições sanitárias para autorizar exportação de carne.

Marina Wentzel, BBC

08 de setembro de 2007 | 16h22

Uma missão do governo chinês deverá ir ao Brasil nas próximas semanas para inspecionar e certificar frigoríficos exportadores de carne. Oficiais do departamento de Administração Estatal de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena (AESQIQ) irão verificar as condições sanitárias dos abatedores e centros de processamento para autorizar a exportação de carne bovina à China.O anúncio da missão feito nesta sexta-feira em Pequim, durante um encontro dos ministérios comerciais dos dois países.A carne é um dos produtos com maior potencial de incremento na pauta de exportação para a China, mas vinha sofrendo com entraves sanitários. A China tinha banido o alimento brasileiro por causa da febre aftosa, mas o Brasil questionou esse embargo na Organização Mundial do Comércio (OMC).Os chineses não distinguiam os Estados brasileiros em termos fitossanitários e aplicavam restrições generalistas. Brasília conseguiu obter da China o reconhecimento de que Estados livres de aftosa têm o direito de exportar suas carnes para o mercado asiático.De acordo com o secretário-executivo do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (Mdic), Ivan Ramalho, a certificação de frigoríficos exportadores é uma questão antiga na agenda e agora finalmente parece estar se resolvendo."Obtivemos o compromisso do vice-ministro do Comércio chinês Gao Hucheng de que ele vai se empenhar pessoalmente na regularização das exportações de carne", disse Ramalho. Ironicamente, a China tem restrições ao consumo da carne verde-amarela, mas já "pirateia" o boi brasileiro.Produtores chineses foram flagrados falsificando carne brasileira. A carne chinesa era exportada para a Rússia e União Européia embalada como se fosse original do Brasil, inclusive com um selo de inspeção do Ministério de Agricultura escrito em português. O Brasil é o maior exportador de carnes do mundo desde 2004, seguido pela Austrália e os Estados Unidos, de acordo com dados da Apex (Agência de Promoção de Exportações e Investimentos). No primeiro semestre deste ano as exportações de carnes chegaram a US$ 2,5 milhões e a expectativa é de que as vendas passem de US$ 3,4 milhões até dezembro.Durante o encontro ministerial também foi fechado um acordo de harmonização para as estatísticas comerciais dos dois países. Vinha ocorrendo uma discrepância crônica no número das exportações chinesas ao Brasil. O dado asiático era sensivelmente superior ao latino-americano."O primeiro setor beneficiado será o de brinquedos, mas a harmonização das estatísticas se estenderá na seqüência a todos os produtos", disse Ramalho.Oficiais dos dois lados deverão se encontrar a cada seis meses para cruzar informações e nivelar os números comerciais. Também foi debatido um possível acordo de restrição voluntária das exportações de têxteis ao Brasil, mas não houve entendimento. As negociações na área têxtil continuarão em Brasília, em novembro, durante encontro da Sub-comissão de Economia e Comércio Brasil x China. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinacarneBrasilMarina Wentzel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.