China mostra força e indústria tem maior alta em 1 ano

A produção industrial da China surpreendeu em agosto, assim como outros dados econômicos do país, sugerindo que a recuperação está em ritmo sólido, mas não a ponto de o governo frear sua política em breve.

JASON SUBLER E ZHOU XIN, REUTERS

11 de setembro de 2009 | 10h40

O único ponto fraco nos dados de agosto foi o comércio exterior. As exportações caíram 23,4 por cento sobre igual mês de 2008, além do esperado e do declínio de 23 por cento visto em julho.

"Claramente (os dados) mostram que a economia doméstica está se saindo muito melhor por causa do estímulo (do governo), e a demanda externa ainda está fraca", disse Tao Wang, economista do UBS, em Pequim. "Não acho que a fraqueza nas exportações vai prejudicar o fato de que a economia geral continuará se recuperando."

A produção industrial chinesa cresceu 12,3 por cento em agosto frente ao ano anterior, no nível mais rápido em 12 meses, depois de avançar 10,8 por cento, segundo dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas nesta sexta-feira.

O crescimento dos investimentos também acelerou um pouco e a expansão anual da base monetária (M2) aumentou para o recorde de 28,5 por cento.

Apesar de sinais de firmeza e do potencial de pressões inflacionárias no médio prazo a partir da rápida expansão da liquidez, analistas esperam que os formuladores de política evitem apertar as políticas fiscal e monetária muito rapidamente.

A contínua fraqueza das exportações salientou o fato de que a China terá que continuar contando com a demanda doméstica para conduzir o crescimento nos próximos meses, mesmo que o impacto do pacote de estímulo do governo de 585 bilhões de dólares comece a decair.

Números detalhados sugeriram que os investimentos privados podem estar começando a assumir papel maior no crescimento, embora os esforços do governo continuem dominantes.

Os investimentos imobiliários saltaram 14,7 por cento nos primeiros oito meses frente ao ano anterior, ante baixa de 1,0 por cento atingida nos dois primeiros meses do ano.

O crescimento dos investimentos urbanos em geral atingiu 33 por cento nos oito primeiros meses, frente a 32,9 por cento de janeiro a julho.

Li Xiaochao, porta-voz da agência de estatísticas, disse que os números de agosto estabelecem uma base sólida para a China alcançar a meta de crescimento de 8 por cento neste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINACONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.