China mostra pessimismo com exportações por crise europeia

Aperto fiscal na Europa pode restringir a evolução do consumo e afetar a demanda pelos produtos chineses

Reuters,

20 de julho de 2010 | 08h21

A China forneceu um cenário pessimista nesta terça-feira sobre suas exportações, alertando em particular que as economias feitas pelos endividados países europeus podem abater a demanda pelos produtos da nação asiática.

Classificando o panorama de comércio como "ainda complicado e severo", o Ministério do Comércio disse que o forte crescimento das exportações no primeiro semestre deve dar espaço para um arrefecimento na segunda metade do ano.

"A crise de dívida soberana fez muitos países da UE mudarem da expansão fiscal para a austeridade fiscal, o que vai restringir bastante o crescimento do consumo e do investimento na União Europeia", afirmou o porta-voz do ministério chinês, Yao Jian, em uma entrevista coletiva.

Além disso, Brasil, Índia e outros países emergentes deram início a um aperto de política monetária, acrescentou o ministério.

"O espaço para mais crescimento das exportações chinesas é limitado." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.