China pode concordar com alta de 85% no minério de ferro

A China pode ceder àsexigências da Austrália de incluir um prêmio de frete nasnegociações do preço do minério de ferro, o que fariaimpulsionar o aumento do preço deste ano para 85 por cento,disseram na terça-feira fontes da indústria e a mídia. Existe uma forte opinião na indústria chinesa de que asmineradoras vão alcançar o aumento de 85 por cento, superandoos 65 por cento conseguidos pela Vale, primeira a fecharcontrato com os clientes este ano, divulgou o Australi anFinancial Review na terça-feira, citando uma fonte nãoidentificada de uma trading de minério de ferro na China. A matéria diz que isso se deve ao fato das usinassiderúrgicas da China estarem pagando preços muito mais altosno mercado à vista do que o preço referencial existente. Fontes da indústria chinesa disseram ainda que a fortedemanda do setor de aço por matéria-prima também dá suporte àsexpectativas de que o prêmio por frete será fechado. "As mineradoras australianas têm sido bastante durasdurante as negociações, porque é bastante óbvio que as usinaschinesas estão ansiosas para obter mais oferta de minério deferro para dar suporte ao crescente setor de aço", disse umexecutivo de uma trading estatal de metais. A produção de aço bruto da China em 2008 deve crescer cercade 10 por cento em relação ao ano passado, para 520 a 550milhões de toneladas. O país ficou com a maior parte daprodução adicional de minério de ferro de importantesmineradoras, incluindo BHP Billiton, Rio Tinto e Vale . O executivo da trading também disse que um aumento de 85por cento, levantada pela primeira vez em relatórios depesquisa de vários bancos de investimento é "bastante provável,porque os bancos são também acionistas de algumas dasmineradoras". As negociações travaram por causa da proposta de inclusãodo prêmio de frete, algo exigido pelas mineradoras australianaspara refletir a economia com o frete para a China contra aimportação de minério brasileiro. REUTERS CM DL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.