China pode se tornar grande produtora de ouro

A China pode assumir um papel significante como produtora de ouro no médio e longo prazos, disse um porta-voz da Gold Fields, uma das maiores companhias mineradoras de ouro do mundo, à OsterDowJones. Willie Jacobsz, vice-presidente de relações com investidores da Gold Fields, sediada em Johanesburgo, disse que "as informações sobre exploração mostra que pode haver um montante considerável de ouro na China". Na semana passada, a Gold Fields anunciou que tinha se unido a outras três instituições no pagamento de US$ 20 milhões para assumir participação de 40% na companhia australiana Sino Gold, que tem uma mina de 100.000 onças por ano no projeto de Jianchaling, e em outros três, na China. Estatísticas sobre a produção de ouro na China são de difícil acesso porque o país sequer aparece na lista dos 20 maiores produtores mundiais. Mas Jacobsz disse que há indicações de vários blocos de minério contendo veios altamente promissores de ouro no país. Ele afirmou que a Gold Fields, que produz cerca de 4 milhões de onças de ouro anualmente em minas na África do Sul, Gana e Austrália, está prestes a ter "um pé na China". A Sino Gold, que opera desde 1996, espera aumentar sua produção anual para 300.000 onças até 2005 e para 400.000 onças até 2007. A empresa pretende estar na lista na Bolsa de Valores da Austrália no próximo mês. Unindo-se à Gold Fields no investimento na Sino Gold está a International Finance Corporation, o Standard Bank London e o Colonial First State. "Nós queremos ser um dos primeiros na exploração e produção de ouro na China e a melhor forma para fazer isso é compor uma equipe com uma companhia mineradora bem-sucedida", disse Jacobsz. "Muito pouco é sabido sobre as perspectivas para uma indústria sustentável de ouro na China, mas acreditamos que o investimento nos posiciona para nos beneficiarmos do potencial". A Gold Fields, que opera tanto em minas subterrâneos quanto em minas abertas, destinou US$ 40 milhões para exploração global nos 12 meses até 30 de junho de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.