China poderá ter inflação com câmbio atrelado ao dólar, diz Bernanke

Presidente do banco central norte-americano disse também que a economia dos EUA tem mostrado certa melhora recentemente, mas ainda tem um longo caminho a percorrer

Danielle Chaves, da Agência Estado,

20 de março de 2012 | 15h05

O presidente do Federal Reserve Bank norte-americano, Ben Bernanke, comentou que o uso de bandas cambiais tem os mesmos problemas de um sistema monetário baseado no ouro e observou que o fato de o yuan estar atrelado ao dólar limita a flexibilidade da política monetária da própria China.

O uso de bandas que limitam a livre flutuação do câmbio "tendem a transmitir fatores positivos e negativos" e existe a possibilidade de um corte de juro nos EUA vir a causar inflação na China, explicou Bernanke em palestra na Universidade George Washington.

Na palestra, Bernanke também defendeu o rompimento dos Estados Unidos com o padrão ouro, em 1971. Ele lembrou que o padrão ouro, no qual toda emissão de moeda tinha de ser lastreada em posição equivalente em reservas no metal precioso, prejudicou a economia global durante a Grande Depressão. "O padrão ouro não previne frequentes pânicos financeiros", comentou.

No decorrer da mais recente crise financeira internacional, alguns críticos do Fed defenderam o retorno ao padrão ouro. As informações são da Dow Jones. (Ricardo Gozzi)

Bernanke disse também que a economia dos EUA tem mostrado certa melhora recentemente, mas ainda tem um longo caminho a percorrer. Segundo ele, a economia norte-americana "ainda está muito desafiadora" e o alto nível de desemprego "cria problemas para todos". Ainda assim, observou Bernanke, as perspectivas de longo prazo para os EUA são muito boas e, "no fim das contas, as coisas vão se normalizar". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BernankejurosChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.