China precisa de mais medidas para conter inflação

A preocupação com um superaquecimento da economia da China está cada vez mais presente nos mercados internacionais. Analistas observam que se as autoridades chinesas não adotarem rapidamente medidas que contenham o ritmo do consumo e uma escalada inflacionária, as conseqüências para a China e à economia mundial poderão ser sérias.Os indicadores mais recentes divulgados por Pequim mostram que o Produto Interno Bruto (PIB) chinês cresce com uma taxa anualizada superior a 11%. Além disso, o superávit comercial do país não pára de subir. Mas, segundo analistas, as autoridades chinesas parecem estar relutantes em conter esse boom econômico. Na semana passada, elas anunciaram uma elevação dos depósitos compulsórios dos bancos. Nos últimos dias foi confirmada também a suspensão de alguns subsídios às exportações e a imposição de novas restrições sobre os investimentos estrangeiros no setor imobiliário.Essas medidas, na avaliação do economista Robert Lind, do banco ABN Amro, são insuficientes. "A economia chinesa precisa de um maior esforço concentrado para se apertar a política monetária", disse. "No final das contas, isso significa que as taxas de juros precisam subir."Juros Circulam nos mercados rumores de que as autoridades chinesas poderão elevar os juros em 27 pontos-base nas próximas semanas. Lind, no entanto, considera que se isso realmente ocorrer, também será insuficiente. "Será necessário um reequilíbrio mais fundamental na política econômica", disse. Segundo o analista, que a relutância do governo chinês em lidar com o problema aumenta o risco inflacionário. "Isso, por sua vez, poderia forçar a adoção de medidas mais agressivas no futuro que teriam potencialmente conseqüências mais sérias para a China e a economia mundial."Desde sua revalorização em julho do ano passado, a moeda chinesa já subiu 3,5% ante o dólar. Mas, segundo Lind, as autoridades parecem continuar evitando uma apreciação mais rápida do yuan. "O superávit comercial da China é um sinal de que os preços relativos dos bens e serviços chineses precisam aumentar", disse. "Ou a taxa de câmbio nominal se aprecia ou a inflação da China vai crescer se comparada à de seus competidores." Segundo ele, a menos que as autoridades chinesas elevem os juros e valorizem a moeda mais agressivamente, a economia vai continuar fervendo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.